a tendencia deco dark/ futurismo

A moda Futurista voltou com tudo!

Robôs, monstros, art déco dark e o apocalipse está chegando…

mas na moda!

Nos anos 20 surgiu esse movimento de arte e design chamado art déco, no qual os elementos mais babados da arquitetura e design invadiram os guarda-roupas!

Em uma faceta mais dark, a tendencia é uma fantasia do apocalipse;

agora eles estão de volta, misturando a decadencia boemia do romance o grande Gatsby com o futurismo de Metrópolis!

Vale a pena conferir o ultimo desfile da poderosa Chanel que foi inspirado em Metropolis (1927) pra conferir essa tendência!        http://www.chanel.com/

Vogue em DOC

Olá meninas e meninos entusiastas da moda!

Hoje temos uma dica mais requentada. Quem curte moda já está ligado em um dos maiores eventos editoriais da área: a edição de setembro da revista de moda Vogue.

Para aqueles que não sabem, a revista faz em setembro sua maior edição (que nos outros meses já não era pequena) marcando o outono-inverno e, como já antes dito: “setembro é a janeiro da moda”.

The September Issue

O documentário The September Issue, de R. J. Cutler, explora o behind-the-scenes da concepção da edição de 2007, a maior atá agora, acompanhando o trabalho de Anna Wintour, magnata da revista e editora-chefe a mais de 20 anos, e sua equipe.

A editora-chefe da Vogue, Anna Wintour

Anna é mundialmente conhecida por seu olhar afinado e decisões que alteram o curso da moda. Seu pulso firme e temperamento também ajudaram em sua fama controversa (que vai desde guru da moda até manifestos do PETA contra o uso de peles nas roupas).

Esta personificação pode ser vista no filme de 2006 O Diabo Veste Prada no personagem de Meryl Streep (que interpreta a editora-chefe de uma revista de moda com seu jeito diva-chefona).

Meryl Streep como Mirand Priestly no filme O Diabo Veste Prada

 

Assista ao trailer de “The September Issue”

The September Issue foi lançado em 2009, mas você pode comprar a sua cópia aqui.

Rita ou Gilda?

Se o assunto é como a moda do cinema influência a vida fora da tela, não poderíamos deixar de citar Rita Hayworth, atriz norte-americana que na década de 1940 tornou-se um mito do cinema com sua personagem Gilda, no filme que leva o mesmo nome.

Foi a partir dessa cena, quando Rita Hayworth canta “Put the Blame On Mame” com um vestido sensualíssimo tomara-que-caia e luvas longas que a atriz se tornou o símbolo da mulher fatal. Desde então, o vestido de cetim desenhado pelo figurinista Jean Louis nunca mais saiu de moda.

Curiosidade:

Rita Haywoth como Gilda

Rita Hayworth, é nome artístico de Margarida Carmen Cansino e ela era filha de dançarinos ciganos espanhóis. Enquanto o pai queria que ela se tornasse dançarina, a mãe queria que a menina fosse atriz. Mas, sem querer decepcionar o pai, começou a frequentar aula de dança, mesmo sem gostar. E assim que foi. Até que por dificuldades da família, teve que ir dançar para trabalhar. E foi assim que foi descoberta, no início dos anos 1930, pelo diretor da Fox Film Corporation, enquanto dançava no “Caliente Club”. Sua carreira de atriz começara mas os seus primeiros filmes não foram lá muito bem sucedidos no quesito atriz memorável. Até que foi abandonada pela Fox.

Sua trajetória de atriz foi um pouco conturbada pois ela passara de dançarina de cabaré para estrela de cinema. Mas… a surpresa vem com o filme Gilda de 1946 com o diretor Charles Vidor.

Rita Hayworth fumando no filme Gilda

Gilda foi o filme mas importante de sua carreira e a tornou uma das mulheres mais desejadas e famosas do MUNDO. Seus vestidos longos eram tão visados que as mulheres pediam para costureiras fazerem sob medida. E ela não era copiada só na roupa. Era nos penteados, no modo de andar e etc. A influência de Gilda foi tão grande para a época que Rita Hayworth fez até comercial de cigarro, o que incentivou o vício das mulheres também. Como todas queriam ser como a personagem, a indústria do cigarro logo se aproveitou disso. A fotografia ensaiada onde o cigarro está em uma mão e na outra, ela segura o casaco de pele foi propositalmente construída dessa forma. E em relação aos homens, nem se fala. Todos a desejavam, até que a atriz disse um dia: “Os homens dormem com Gilda e acordam comigo.”

Com o papel que a imortalizou, Rita Hayworth não será esquecida pelo cinema, mesmo que depois desse filme, a atriz nunca conseguiu repetir o sucesso. Casou-se com Orson Welles e estrelou outros longas, mas Gilda foi único.

Doris Day

Que o cinema exerce muita influência sobre a moda no mundo, todo mundo sabe. Mas, quem fez partes dessas GRANDES referências, muitas vezes não é comum ao repertório de todos.

Alguns looks da atriz

Pensando nisso, resolvi resgatar a atriz e cantora Doris Day que com seu jeitinho “sexy ingênua” despertava a atração dos homens e a admiração das mulheres, que queriam ter seus looks e penteados.

E não era a toa. A atriz aparecia com penteados deslumbrantes de causar inveja em qualquer mulher que gostasse um pouco de moda e de se arrumar.

Doris Day usando o penteado Helmet

 

 

 

Doris começou no cinema em 1939 e foi até meados dos anos 70. Participou de filmes como “Ardida como Pimenta”, “Um Pijama para Dois” e “Um Amor de Professora”, entre muitos outros e foi aproximadamente nos anos 50, que ela dominava a telinha sendo referência de moda entre as moças da época.

O Helmet, cabelo usado pela atriz, era almejado pelas mulheres que, tentando ter o visual igual ao da estrela, ficaram dependentes dos cabeleireiros.

Sessenta

Uma das tendencias que está em alta agora é a dos anos 60. Essa moda voltou com tudo, não só nas passarelas, mas também nos redcarpets da vida. Seja na forma de arrumar o cabelo ou na escolha dos acessórios e roupas. pra você não errar nesse verão, tem que ser 60’s inspired!

Rose Byrne, na pré-estréia de seu novo filme ‘X-Men: First Class’
Desfile Louis Vuitton verão 2011
Desfile Louis Vuitton – Verão 2011

Mas se você tá aí pensando – afinal, o que essas roupas e penteados tem a ver com o blog? – continua lendo que eu vou te explicar!

Toda essa febre de anos 60 começou, um ano atrás, na entrega do Emmy Awards onde a série Mad Men foi eleita pela terceira vez consecutiva como melhor série drama, superando todo o favoritismo a favor da série Dexter. A série se passa nos anos 60 e a história gira em torno de uma grande agencia de publicidade de Nova Iorque, que coloca em tudo que faz uma pitada de persuasão e mostra como foi que nasceu o, tão famoso, sonho americano.

Um dos motivos que levou a série a faturar prêmios como melhor série drama, não só no Emmy como também no Globo de Ouro, foi a autenticidade na história e no figurino. Sempre levando em conta o tempo em que se passa a història, a maioria das peças escolhidas não são propriamente vintage e sim uma repaginação do estilo da época.

foto do site TheExtrovert - vestidos super acinturados

O ícone fashion da série é a esposa do Don Draper (personagem principal da série), a sra. Betty Draper interpretada por January Jones. Na série ela é uma ex-modelo, agora dona de casa, que continua com essa obsessão pelas aparencias.

foto do site F-utilidades

Para quem gosta do estilo e não quer errar na hora de se vestir, tem que assistir a série! O figurino é muito bem pensado, e todas as caracteristicas das roupas na época como a silhueta em A, roupas “espaciais” e principalmente os vestidos tubinhos.
Alem do figurino, como eu já disse antes, o enredo é muito bom é daquelas séries que você não quer parar de assistir nem pra ir no banheiro haha, é daquelas que realmente não dá pra perder!!

A “Big Boss” do Mundo Fashion

No mundo da moda os jornalistas estão super bem classificados no quesito importância. Devido a esse fato começou-se a girar um mito em volta das grandes editoras-chefe, elas passaram a serem vistas quase como intocáveis! As “Big Boss” do mundo fashion são quem analisam os coleções dos grandes estilistas, também sao as responsáveis pelas críticas positivas e negativas em relação aos looks que aparcem nas passarelas.

O mundo da moda é uma indústria que movimenta bilhões de dólares a cada ano. Anna Wintour é a mulher mais poderosa do meio. Ela é chefe da Vogue americana, a revista de moda mais influente de todo o mundo. É basicamente ela que diz o que vai e o que nao vai entrar no guarda-roupa de quem pode comprar.

Anna Wintour – Chefe da Vogue americana

Inspirada em Anna,  Lauren Weisberger escreveu o livro O Diabo Veste Prada, que mais tarde deu origem ao longa que leva o mesmo nome. A autora, trabalhou como assistente de Anna por um tempo. Em muitas entrevistas Lauren é questionada se foi sua experiência de trabalho com Wintour  que deu origem ao livro, a autora nega porém fala que existem coincidências.

O filme conta a historia de Andy Sachs, interpretada por Anne Hathaway.

Andy é uma garota recém-formada que quer ser escritora e sonha em trabalhar em revistas como a New Yorker e acaba conseguindo um emprego na redação da Runway, a maior revista de moda. Andy se torna assistente da grande editora chefe Miranda Priestly, interpretada por Maryl Streep. A garota ingênua, precisa conviver com as exigências e caprichos de sua chefe e precisa ainda aprender a viver em um mundo ao qual não pertence.

O filme trata da adaptação das pessoas ao meio, ele nos faz pensar até que ponto nos estamos dispostos a mudar para entrar nos padrões estipulados pela sociedade e o quanto isso nos afeta.

O livro é diferente do filme. Na literatura Andy é uma garota que passa o tempo todo falando mal de Miranda e trabalha contrariada, usando seu trabalho como um  atalho na carreira e acaba se deslumbrando com o mundo fashion. A versão cinematográfica também traz a personagem de Maryl Streep de forma diferente. Diante das câmeras, Maryl se fez uma das criaturas mais odiáveis, até aí no livro a Editora também faz esse papel, porém se no livro ela acaba sendo desprezada e odiada, na versão hollywoodiana Miranda acaba bem diferente da personagem do livro. No fim do filme ela passa para os espectadores a imagem de que ela é uma boa pessoa. Maryl Streep esta incrivelmente bem no papel da “Big Boss”, e o figurino do longa feito por Patricia Field são de deixar qualquer um que se interesse minimamente por moda deslumbrado!

O filme recebeu 2 indicações ao Oscar nas categorias de melhor atriz (Maryl Streep) e de melhor figurino (Patricia Field).  Vale a pena conferir.

Eu vou ficando por aqui, espero que vocês tenham gostado do post.

Comentem!

O Guarda-Roupa Hollywoodiano

Hoje é dia de falar de moda! Quem nunca se encantou por alguma peça de roupa ou algum acessório  vistos em um filme e quis ter um igualzinho? Vários modelos que aparecem nos filmes chegaram a marcar gerações, os looks mais famosos do cinema foram usados como referencias no mundo da moda e também no guarda-roupa de muitos.

O cinema espalha tendências no mundo fashion e os looks da telona viraram até inspiração para coleções inteiras de renomados estilistas! Quem não se lembra do  vestido ,estilo tubinho, preto usado por Audrey Hepburn em Bonequinha de Luxo, ou do famoso vestido branco usado por Marylin Monroe no filme o Pecado Mora ao Lado?Agora imaginem só ter alguns destes em sua casa? Debbie Reynolds já teve o prazer de experimentá-los ou talvez de ate usá-los,Essas são duas das pecas que faziam parte da coleção da atriz de cantando na chuva. Debbie possuía algumas das pecas mais famosas do cinema e pretendia fazer um museu com sua coleção, porem não encontrou um investidor e resolveu fazer um leilão, imaginem só! A coleção cinematográfica da atriz era composta por peças de roupas e acessórios usados por grandes nomes do mundo de Hollywood, o leilão que ocorreu em junho e tinha o objetivo de arrecadar quase 11 milhões de dólares.Para participar? estar disposto a desembolsar pelo menos R$ 200.000(lance mínimo) . o vestido usado por Marylin foi a peca mais cara avaliada em cerca de 2 milhões de dólares, o leilão ainda contou com  o chapéu da Cleópatra, usado por Elizabeth Taylor, os sapatinhos vermelhos do filme o mágico de OZ,o chapéu-coco usado por Charlie Chaplin e entre outros ,já deu para imaginar né? aqui vão as fotos de algum dos looks do leilão:

O  famoso vestido de Marilyn Monroe, branco plissado e esvoaçante usado no filme “O Pecado Mora ao Lado”, (1955). (foto retirada do site http://www.rvmadefor.com.br/blog/?tag=marilyn-monroe)

O givenchy preto, usado por Audrey Hepburn em “Bonequinha de Luxo”(1961)(foto retirada do site http://www.rvmadefor.com.br/blog/?tag=marilyn-monroe)

Os sapatinhos vermelhos  de Dorothy, personagem de Judy Garland em “O Mágico de Oz”, (1939)(foto retirada do site http://lixeiradonarigas.blogspot.com/2008/08/sapatos.html)

O vestido marrom usado por Julie Andrews em “A Noviça Rebelde”(1959,)(foto retirada do site http://oimoda.com.br/news/que-tal-usar-os-looks-mais-famosos-do-cinema/)

Os enormes chapeus de Elizabeth Taylor em “Cleópatra”(1963)(foto retirada do site http://oimoda.com.br/news/que-tal-usar-os-looks-mais-famosos-do-cinema/)

Eu quero. E vocês?

Para nós não passarmos tanta vontade eu separei aqui dois looks que eu encontrei que tem tendências parecidas com os famosos hollywoodianos, que podem ser encontrados no site: http://www.asos.com lá tem varias roupas legais para mulheres e para homens, fique por dentro!

Esse é um vestidinho branco com saia rodada que tem algumas semelhanças com o vestido de marylin

http://www.asos.com/ASOS/ASOS-Fit-and-Flare-Dress-with-Contrast-Button-Detail/Prod/pgeproduct.aspx?iid=1702937&cid=8799&sh=0&pge=0&pgesize=20&sort=-1&clr=Cream

Esse é um vestido que pode ser comparado ao estilo do tubinho preto de Audrey.

http://www.asos.com/ASOS/ASOS-Pencil-Dress-With-Wrap-Skirt/Prod/pgeproduct.aspx?iid=1704131&cid=8799&sh=0&pge=1&pgesize=20&sort=-1&clr=Navy