Madonna vs Madonna

Madonna, a cantora pop mais famosa do mundo, desde sempre causou polemica na midia, seja pelas inovadoras performances ou pela quebra de estigmas.

O seu primeiro documentário, Na Cama com Madonna, mostra os bastidores da turnê Blond Ambition Tour. O documentário fez muito sucesso, pois mostrava como Madonna era aberta sexualmente e como agitava sua plateia. Mostrando-a como uma incrível performer e cantora.

Já em 2011, a cantora dirigiu mais um filme: “W.E.”, que conta o  romance entre Wallis Simpson e o rei britânico Eduardo 8º, que renunciou ao trono por causa de uma plebelia americana. O filme foi lançado no festival de Cannes, e na ocasião foi vaiado pelos expectadores.

 Madonna, dirigindo seu último filme

Parente… É Serpente

Hoje é dia de filme italiano, logo… Comida italiana!

Capa do DVD

O filme escolhido foi Parente… É Serpente.

Com direção de Mario Monicelli, o longa metragem consegue ser ao mesmo tempo intensamente popular e sério, social, engraçado e humano, como muitos filmes italianos que vemos por aí.

Foto retirada do Filme

A história, é sobre uma família italiana que como muitas, se reúne nas vésperas de Natal na casa da nonna. Não demora muito, e os problemas começam quando os velhos decidem que querem morar com um dos filhos. A partir daí, a situação se complica cada vez mais. Os diálogos nas horas das refeições se tornam cada vez mais amargos! Porém, quem se importa? É impossível não repetir a massa ou recusar o peixe empanado na pastella, o pão caseiro e mais uma taça de vinho. Impossível não louvar o delicioso sabor da comida da mamma!

Em função disso, resolvemos mostrar hoje a receita:

Manjubinhas in Pastella

Para quem não sabe, na Itália, a massa que empana peixes, verduras, legumes, é chamada de pastella. Ela forma uma crosta dourada e crocante em volta dos ingredientes, depois de fritos. Para isso acontecer, precisa deixar a patella descançar por uma hora antes de ser utilizada. Basicamente, a pastella consiste na mistura de 200g de farinha de trigo com um copo e meio de cerveja em temperatura ambiente e uma pitada de sal. É muito bom, mas vamos ao que interessa que é nossa receita de Manjubinhas in Pastella!!!

Ingredientes:

200g de farinha de trigo

200ml de cerveja em temperatura ambiente

1 gema de ovo

600g de manjubas bem frescas

Sal e pimenta do moinho

1 lata de óleo

Preparo:

Numa travessa, junte a farinha com a cerveja e misture bem. Adicione a gema e misture até que ela seja absorvida. Deixe descançar por uma hora. Lave bem as manjubas e faça, com uma faca, uma pequena incisão no ventre. Com o polegar, delicadamente, retire todas as vísceras. Tempere os peixes com sal e pimenta. Passe-os pela massa, retire o excesso e frite aos poucos em óleo abundante. Escorra em papel absorvente e sirva, com rodelas de limão (opcional).

Tempo de preparo: Aproximadamente 2 horas.

É sem noção de bom! Se eu fosse vocês, experimentava também!

Pretty Woman

Tem músicas que consagram filmes. E… tem filmes que consagram músicas. Um exemplo forte é o filme Uma Linda Mulher (Pretty Woman).

Foto retirada do Filme

Considerado um conto de fadas dos dias atuais, o filme conta a história de uma prostituta moderna (Julia Roberts), que não beijava seus clientes na boca para não se envolver. Mas, um dia, conhece Edward Lewis (Richard Gere), um homem milionário, que a transforma em uma mulher elegante e acaba se apaixonando por ela.

O filme tem tantas cenas marcantes, que fica difícil escolher, mas a cena final ao som da música Pretty Woman, quando Richard Gere finalmente se dá conta de que tem que ficar com a personagem vivida por Julia Roberts, e vai atrás dela, com certeza ganha o filme.

Muitas vezes, é como se a música falasse com o espectador, sem precisar de diálogos ou narrador. A trilha sonora se encaixa tão bem que  o filme fica livre de palavras, até porque, todas as palavras que seriam ditas, não se encaixariam tão bem como as ditas na música.

Muito bem colocada, quem assistiu, não se esqueceu. E ainda mais, depois de ter visto o filme, não dá para escutar a música sem se lembrar dos melhores momentos de Julia Roberts e Richard Gere.

Aí vai a tradução:

Pretty Woman – Roy Orbison

Whoo!
Linda mulher, caminhando pela rua
Linda mulher, do tipo que quero conhecer
Linda mulher, eu não acredito que você, possa ser real
Ninguém pode parecer tão boa quanto você
Clemência
Linda mulher, você me desculpa ?
Linda mulher, eu não pude evitar ter visto
Linda mulher, que você é adorável demais
Você está sozinha como eu
Linda mulher, pare um pouco
Linda mulher, fale um pouco
Linda mulher, dê seu sorriso para mim
Linda mulher, yeah, yeah, yeah, yeah
Linda mulher, olha para onde estou
Linda mulher, diga que vai ficar comigo
Pois preciso de você, preciso de você esta noite. Ah!
Linda mulher, não passe por mim
Linda mulher, não me faça chorar
Linda mulher. não vá embora. Okay.
Se é assim que tem que ser, okay.
Eu acho que vou para casa, está tarde
Amanhã a noite tem mais, mas espere… O que vejo?
Ela está voltando para mim
Whoa, whoa, linda mulher

A Pele que Habito

Fui assistir esse filme ontem no Cinemark do Higienópolis. Não vou me prolongar sobre o que achei. A ideia geral fica pelas três impressões que se descolaram de mim e de duas amigas que foram comigo. A melhor sacada pra mim foi a da Jé, que comentou sobre como a gente ria em horas inesperadas, resultado desse reino do gênero incerto sobre o qual Almodóvar transita tão bem. A Má se surpreendeu com a Vera, personagem interpretada por Elena Ayala. Também vale destacar a atuação do Antonio Banderas, mais uma ótima direção de atores. E eu fiquei impressionada pela forma como a chave do filme é revelada por uma simples sobreposição. Para mim, Almodóvar nunca manipulou as imagens tão bem.

Almodóvar e Elena Alaya

Mas como o post é sobre referências, vamos a elas.

Almodóvar diz ter baseado seu roteiro no livro de Thierry Jonquet.
Porém, para quem gosta de filme de terror, fica difícil de não lembrar de Eyes Without a Face, de Georges Franju. A semelhança aparece logo na sinopse. O médico, motivado por amor e culpa, busca sem escrúpulos, produzir a pele perfeita. Os filmes também se parecem nas cenas aflitivas sobre a mesa de operação, sem precisar apelar para grandes derramamentos de sangue.

 

Ainda assim, a referência que mais se destaca, na minha humble opinion, é à Louise Bourgeois, artista que morreu ano passado, aos 98 anos. No filme, a personagem Vera observa um livro de suas obras, que serve de inspiração para suas próprias.

Uma de suas obras que aparece no filme 

Ao observá-las, não posso deixar de sentir algo de cruel e desconfortante, balanceado por um certo apelo estético que hipnotiza. Vale a pena fuçar o Google para ver mais obras. À primeira vista elas parecem cruas, duras, mas ao mesmo tempo, a partir do nosso olhar, se tornam viscerais.

Louise Bourgeois por Robert Mapplethorpe, 1982

A risada que vem do inesperado.
Lembra alguém?

Cenários Cinematográficos da Vida Real

Quem nunca se imaginou na pele dos personagens dos filmes? Ou simplesmente quis conhecer algum lugar que existe nas produções cinematográficas?

Para quem já quis ter esse gostinho alguma vez na vida, eu separei alguns cenários de filmes da vida real.

Para quem algum dia sonhou em estar na pele de Indiana Jones existe um lugar que pode te fazer viver por alguns intantes esta experiência! E o endereço? Vancouver no Canadá! A ponte suspensa Capilano foi o lugar escolhido como cenário para  algumas cenas do longa “O Templo da Perdição”. Muitos turistas fãs do filme aparecem por la para viverem a sensação de atravessar uma ponte suspensa a 70 metros e de 137 metros de comprimento. A ponte foi inaugurada em 1889 e fica em bosque cercado por árvores e quedas d’água que podem chegar a 60 metros. Além da super ponte o parque onde ela esta situada oferece aos seus visitantes outras atracões como exposições e atividades

A famosa ponte Capilano

ecoturisticas. O local fica aberto diariamente, das 9h até as 20h (várias de acordo com o mês) entradas de US$ 29,95 para adultos, US$ 27,95 para pessoas acima de 65 anos, US$ 23,75 para estudantes acima de 17 anos, US$ 18,75 para pessoas de 13 a 16 anos e US$ 10 para crianças de 6 a 10 anos, abaixo de 6 anos a entrada é gratuita. Se for fazer uma visita ao Canadá aproveite e sinta na pele um pouco de como ser Indiana Jones!

Quem assistiu ao filme “O fabuloso Destino de Amélie Poulain”, dirigido por Jean-Pierre Jeunet, certamente se lembra do charmoso bairro de Montmartre, em Paris, onde acontece a historia. E com certeza nao se esqueceu do Café dês Deux Moulins onde trabalhava Amélie, protagonista vivida por Audrey Tautou. O famoso bairro parisiense se

O Café dês Deux Moulins de Amélie Poulin

tornou referencia e entre os cenários reais utilizados na trama esta o café onde amélie trabalhava. O local mantem a decoração dos anos 50, é um local aconchegante. O teto permanece mostarda e o banheiro é unissex. A iluminação néon do local da um toque de charme. Agora é só ir ate Montmartre em uma visita á paris e desfrutar do cardápio de comezinhas francesas servidas no local, onde “trabalhava amélie poulain” aproveite!

Outro cenário real das telonas é tatooine, o planeta dos personagens Anakin e Luke Skywalker da saga Star Wars. Na vida real ele nao é bem um planeta e na verdade fica na Tunísia. O diretor do filme,George Lucas escolheceu o local onde existe um conjuto de fortalezas abandonadas dos séculos passados para rodar cenas do longa. Milhares de

Cenário do planeta de origem de Luke Skywalker

turistas todos os anos vao ao local para conhecer os cenários do futuro que aparecem na saga. Cerca de 300 fortalezas estão nessa região e muitas nao sao abertas ao publico. A mais famosa delas é conhecida como Ksar Ouled Soltane, onde Skywalker passa sua infância em Star Wars: a ameaça fantasma.

Um outro local que é possível ser visitado por você, é o Bar Vitalli onde  ocorre a festa do casamento de Michael Corleone com Apollonoa no filme “O Poderoso Chefão”. Deixando de lado seu trágico fim, Corleone teve uma celebração e tanto em seu casamento. O casal recém casado ao lado da família caminha pelas ruas do vilarejo ate chegar ao bar vitelli. E você também pode

Bar Vitelli de “O Poderoso Chefão”

percorrer esse caminho! Savoca (comuna italiana) virou um lugar procurado pelos turistas que gostariam de viver o clima da família corleone por um dia! A igreja onde foi realizada o casamento e o bar da festança continuam com características iguais as de quando o filme foi gravado. O famoso bar vital matem as mesmas cadeiras que foram usadas pelos personagens do filme e ainda o local serve uma deliciosa granita di limone! se for fa do filme estiver de passagem pela Itália aproveite!

Elsa, Fred e Fellini

O cinema imita a vida. A vida imita o cinema.

E ambos são apaixonados pelo cinema…

O filme Elsa e Fred  é sobre um casal que se une aos 80 anos, a história é sobre o amor, mas muito menos de um pelo outro mas pelo amor dos dois ao cinema.

Federico Fellini é a grande referência do filme,embora o título possa lembrar Ginger e Fred é com A Doce Vida que o cineasta constrói o dialogo com Fellini.

Elsa guarda na sala de sua casa a foto de Anita Ekberg na Fontana di Trevi. Seu sonho é refazer o caminho de Anitona, 50 anos depois, e isso ela vai fazer graças a Fred.

A cena mais bonita do filme acontece um pouco antes disso  quando Federico Luppi, numa participação especial, como o ex-marido, vai visitar Fred para alertá-lo sobre o risco representado por Elsa. Traído e abandonado por Elsa, sente-se ressentido e conta a Fred que ela vive no mundo da fantasia, não passando de uma mentirosa. Uma linda referencia a Fellini, que dizia ser um mentiroso sincero, fez uma autobiografia inventada.

Se você se encanta com o Fellini  como Elsa, Fred e eu, assista Elsa e Fred, mas, cuidado pra nao querer ser Anitona na Fontana di Trevi!

Um Cenário Marcante Pela Ausência de Cenário

Eu nunca me esqueço da primeira vez que eu assisti Dogville. Passei pelos canais e parei em um completamente distraída. Quando realmente prestei atenção ao filme que tinha escolhido, achei que fosse algum tipo de pegadinha.

Dogville foi lançado em 2003 e dirigido por Lars von Trier. É uma co-produção entre Dinamarca, Suécia, Noruega, Finlândia, Reino Unido, França, Alemanha e Países Baixos. O filme conta a história de Grace (Nicole Kidman), uma bela desconhecida que aparece no vilarejo ao tentar fugir de gângsters.

O filme foi feito dentro de um galpão com o mínimo de objetos possível – há poucas

Cenário visto de cima.

paredes e não há portas – E existem marcações no chão indicando uma casa, uma rua ou um arbusto. Apesar dos personagens fazerem constantes referências a paisagem, ou ao céu, não há nada lá a não ser um fundo infinito, como os de estúdio fotográfico, estimulando o processo imaginativo do espectador. O elenco do filme está presente em cena em todos os momentos, fazendo diversas coisas independente do que acontece na cena principal, visto que não há paredes dividindo suas casas ou estabelecimentos. É por tudo isso que o trabalho dos atores dentro deste filme é extremamente valorizado.

Dogville apresenta claras referências visuais e influências de produção herdadas do movimento Dogma 95, manifesto cinematográfico que foi iniciado pelo próprio Lars Von

Cena de Dogville.

Trier, como por exemplo a ausência de trilha sonora. O teatro do absurdo, onde os atores improvisam e criam situações onde interagem com objetos imaginários, também está claramente presente.

Quem não assistiu, assista. Eu falo com toda a certeza que Dogville é imperdível, especialmente para aquelas pessoas acostumadas com filmes “sessão da tarde”.