Parente… É Serpente

Hoje é dia de filme italiano, logo… Comida italiana!

Capa do DVD

O filme escolhido foi Parente… É Serpente.

Com direção de Mario Monicelli, o longa metragem consegue ser ao mesmo tempo intensamente popular e sério, social, engraçado e humano, como muitos filmes italianos que vemos por aí.

Foto retirada do Filme

A história, é sobre uma família italiana que como muitas, se reúne nas vésperas de Natal na casa da nonna. Não demora muito, e os problemas começam quando os velhos decidem que querem morar com um dos filhos. A partir daí, a situação se complica cada vez mais. Os diálogos nas horas das refeições se tornam cada vez mais amargos! Porém, quem se importa? É impossível não repetir a massa ou recusar o peixe empanado na pastella, o pão caseiro e mais uma taça de vinho. Impossível não louvar o delicioso sabor da comida da mamma!

Em função disso, resolvemos mostrar hoje a receita:

Manjubinhas in Pastella

Para quem não sabe, na Itália, a massa que empana peixes, verduras, legumes, é chamada de pastella. Ela forma uma crosta dourada e crocante em volta dos ingredientes, depois de fritos. Para isso acontecer, precisa deixar a patella descançar por uma hora antes de ser utilizada. Basicamente, a pastella consiste na mistura de 200g de farinha de trigo com um copo e meio de cerveja em temperatura ambiente e uma pitada de sal. É muito bom, mas vamos ao que interessa que é nossa receita de Manjubinhas in Pastella!!!

Ingredientes:

200g de farinha de trigo

200ml de cerveja em temperatura ambiente

1 gema de ovo

600g de manjubas bem frescas

Sal e pimenta do moinho

1 lata de óleo

Preparo:

Numa travessa, junte a farinha com a cerveja e misture bem. Adicione a gema e misture até que ela seja absorvida. Deixe descançar por uma hora. Lave bem as manjubas e faça, com uma faca, uma pequena incisão no ventre. Com o polegar, delicadamente, retire todas as vísceras. Tempere os peixes com sal e pimenta. Passe-os pela massa, retire o excesso e frite aos poucos em óleo abundante. Escorra em papel absorvente e sirva, com rodelas de limão (opcional).

Tempo de preparo: Aproximadamente 2 horas.

É sem noção de bom! Se eu fosse vocês, experimentava também!

Pretty Woman

Tem músicas que consagram filmes. E… tem filmes que consagram músicas. Um exemplo forte é o filme Uma Linda Mulher (Pretty Woman).

Foto retirada do Filme

Considerado um conto de fadas dos dias atuais, o filme conta a história de uma prostituta moderna (Julia Roberts), que não beijava seus clientes na boca para não se envolver. Mas, um dia, conhece Edward Lewis (Richard Gere), um homem milionário, que a transforma em uma mulher elegante e acaba se apaixonando por ela.

O filme tem tantas cenas marcantes, que fica difícil escolher, mas a cena final ao som da música Pretty Woman, quando Richard Gere finalmente se dá conta de que tem que ficar com a personagem vivida por Julia Roberts, e vai atrás dela, com certeza ganha o filme.

Muitas vezes, é como se a música falasse com o espectador, sem precisar de diálogos ou narrador. A trilha sonora se encaixa tão bem que  o filme fica livre de palavras, até porque, todas as palavras que seriam ditas, não se encaixariam tão bem como as ditas na música.

Muito bem colocada, quem assistiu, não se esqueceu. E ainda mais, depois de ter visto o filme, não dá para escutar a música sem se lembrar dos melhores momentos de Julia Roberts e Richard Gere.

Aí vai a tradução:

Pretty Woman – Roy Orbison

Whoo!
Linda mulher, caminhando pela rua
Linda mulher, do tipo que quero conhecer
Linda mulher, eu não acredito que você, possa ser real
Ninguém pode parecer tão boa quanto você
Clemência
Linda mulher, você me desculpa ?
Linda mulher, eu não pude evitar ter visto
Linda mulher, que você é adorável demais
Você está sozinha como eu
Linda mulher, pare um pouco
Linda mulher, fale um pouco
Linda mulher, dê seu sorriso para mim
Linda mulher, yeah, yeah, yeah, yeah
Linda mulher, olha para onde estou
Linda mulher, diga que vai ficar comigo
Pois preciso de você, preciso de você esta noite. Ah!
Linda mulher, não passe por mim
Linda mulher, não me faça chorar
Linda mulher. não vá embora. Okay.
Se é assim que tem que ser, okay.
Eu acho que vou para casa, está tarde
Amanhã a noite tem mais, mas espere… O que vejo?
Ela está voltando para mim
Whoa, whoa, linda mulher

Festival Cine Favela de Cinema

Ae galera!

Tá rolando em São Paulo a sexta edição do Festival Cine Favela de Cinema, que até o ano passado, era restrito à Comunidade de Heliópolis.

Realizado pela Associação Cine Favela e pelo SESC-SP, o festival desse ano acontece de 09 a 15 de novembro, tendo como tema o “Pixo como Expressão da Periferia”. O evento abre portas para que a sociedade, o poder público e os pixadores reflitam sobre a questão do pixo ser considerado arte ou vandalismo. Serão exibidos 32 curtas-metragens e 5 longas-metragens, além de encontros, palestras, oficinas e uma exposição de fotos do projeto Ponto de Equilíbrio Imagens – RJ.

O cinema periférico rompe, em 2011, as barreiras das comunidades e chega a 13 pontos de exibição com a pretensão de atingir mais de um milhão de pessoas. As sessões acontecem em quatro unidades da Rede SESC (Osasco, Interlagos, Itaquera e Santana), SENAC Osasco, três Comunidades populares (Heliópolis, Cidade Tiradentes e Paraisópolis), duas estações do metrô (Paraíso e Corinthians-Itaquera), na região central da cidade (Praça Roosevelt), no bairro do Cambuci e na cidade de Campinas. O melhor filme periférico brasileiro será escolhido pelo voto popular.

Outros destaques:

No Metrô, estações Corinthians-Itaquera e Paraíso, uma programação especial começou no dia 1º de novembro e segue até o dia 30, dentro do Encontros, projeto que transforma as estações do metrô em polos culturais: Mostra dos Melhores do 5º Festival Cine Favela de Cinema, Mostra Competitiva 2011; Retrospectiva Cavi Borges; Mostra de Longas-Metragens; e bate papo com Liu Mr. (MC e ator da Comunidade de Heliópolis), Daniel Gaggini (Diretor do Festival), representante da EloCompany (empresa que atua na difusão de audiovisuais) e Reginaldo Túlio (fundador do Cine Favela em Heliópolis).

Para saber mais:

Contatos/Festival: Tel: (11) 7722-3202 – festival@festivalcinefavela.com.br

Não perca essa. FICA A DICA!

As coxinhas de Raimundo Nonato

Hoje no nosso post sobre culinária vamos falar do filme brasileiro estômago.

O longa conta a historia de Raimundo Nonato, que vai para cidade em busca de novas oportunidades. Chengando la sem ter dinheiro e onde morar começa a trabalhar como faxineiro em um buteco em troca de comida e moradia.Com o tempo começa a descobrir seus talentos culinários.

Logo se torna chefe do estabelecimento, e transforma a péssima coxinha que era servida lá, em especialidade da casa, transformando o bar em um sucesso.Ali ele conhece a prostituta Fabiula por quem se apaixona e é super fa de suas coxinhas.

Depois que Nonato descobre seu talento culinário passa a ser assistente de cozinha em um restaurante italiano da região e assim melhora sua vida tendo onde morar o que vestir e que comer devido ao seu trabalho. A s coxinhas de Raimundo Nonato sao quase personagens no filme e é por isso que hoje na sessão gastronomia do Tela Espelhada.. eu vou passar para vocês a deliciosa receita das coxinhas do filme!

eu fiz e ficou uma delicia! depois vocês me contam que acharam…

Coxinha

Ingredientes:

Recheio
1 peito de frango sem a pele
1 cebola picada
1 xícara (chá) de salsinha picada
sal e pimenta-do-reino a gosto

Massa
2 tabletes de caldo de galinha
1/2 xícara (chá) de óleo
3 xícaras (chá) de farinha de trigo
farinha de rosca para empanar
óleo para fritura

Modo de Preparo:

Recheio:
coloque o peito de frango para cozinhar em uma panela com água e sal. Retire, escorra e deixe esfriar. A seguir, desfie bem e tempere com a cebola, a salsinha, o sal e a pimenta-do-reino.

Massa:
leve ao fogo 3 xícaras (chá) de água, junte os tabletes de caldo de galinha e o óleo. Assim que ferver, adicione a farinha de trigo, de uma só vez, mexendo vigorosamente, e cozinhe até soltar da panela. Transfira a massa para uma superfície plana e amasse com o rolo de macarrão, até obter uma massa lisa. Pegue uma porção de massa por vez e abra na mão, formando uma cavidade e coloque o recheio. Feche e molde a coxinha. Passe as coxinhas na farinha de rosca e frite em óleo bem quente (o óleo deve cobrir as coxinhas), até dourar uniformemente. Retire do fogo, escorra e coloque sobre papel toalha para retirar o excesso de óleo.

O Cinema está na Moda

Jean-Paul Gaultier

Ver um filme com o grande ator é sempre bom. Ver um filme de um grande diretor é ainda melhor. Agora, ver um filme com figurinos feitos por, tipo assim, Giorgio Armani é tipo ai-meu-Deus! E saiba você que isso é mais comum do que se imagina !

Os grandes estilistas sempre estiveram presentes também na indústria cinematográfica.

É o que podemos dizer por exemplo de Jean-Paul Gaultier. Seus figurinos brilharam em filmes como O Quinto Elemento, Ladrão de Sonhos e Má Educação. No entanto, sua produção mais recente é o filme A Pele em que Habito, o mais novo filme de Almódovar.

Cartaz de Bastardos Inglórios, filme com figurinos de Giorgio Armani.

Outro ótimo exemplo é o já citado Giorgio Armani, que fez os figurinos de filmes como Os Intocáveis, Batman – O Cavaleiro das TrevasBastardos Inglórios. Claro, afinal filme top merece figurino top !

E se o tema é figurino, por nada nesse mundo poderíamos deixar de citar nosso querido

Audrey Hepburn e Givenchy

Hubert de Givenchy, que fez Audrey Hepburn decolar! Suas roupas podem ser vistas na atriz em Cinderela em Paris, Amor na tarde e principalmente em Bonequinha de Luxo. Ou você achava que o vestido preto mais famoso do mundo era um vestido qualquer?

Outros grandes nomes que exibiram suas criações no cinema são Coco Chanel, Yves Saint-Laurent e Yohji Yamamoto.

Fala a verdade, dá ou não dá vontade de fazer cinema assim?

Só Acontece Nos Filmes

Hoje, o Acontece Fora da Tela vai ser um pouquinho diferente…

TOP 10 coisas que SÓ acontecem em filmes!

10. Caso você for perseguido numa cidade, pode sempre se misturar com a multidão como se fosse uma parada de Carnaval – em qualquer altura do ano.

09. O sistema de ventilação de um prédio é perfeito para se esconder. Ninguém pensa em te procurar lá e você pode chegar à qualquer parte do prédio sem ser detectado.

08. Um único fósforo é o suficiente para iluminar o quarto inteiro, não importa o tamanho.

07. Um homem a disparar contra 20 homens tem melhor hipótese de os matar do que aqueles 20 homens a disparar ao mesmo tempo contra ele.

06. Quando apagas a luz da cama para ir dormir, tudo no quarto ainda estará visível, apenas fica ligeiramente azulado e escuro.

05. As moças feias podem facilmente se tornar estrelas de cinema apenas com o remover dos óculos e o arranjar do cabelo.

04. Sempre que precisar, você pode encontrar uma moto-serra.

03. Nas investigações policiais é sempre necessário visitar o clube de strip pelo menos uma vez.

02. Quando vai pagar o taxi, você não olha para a carteira enquanto tira o dinheiro. Apenas agarra uma nota qualquer e dá ao condutor. E é sempre a quantia certa ou então é “keep the change”.

01. Fechaduras podem ser quebradas com um cartão de crédito. A NÃO SER a porta de um quarto com uma criança chorando lá dentro. Nesse caso, abre-se com o ombro.

Agora, deixem suas opiniões e percepções de coisas que SÓ acontecem nos filmes mesmo…

Batman: Ano Um & Batman de Christopher Nolan

Batman: Ano Um (também originalmente chamado Ano Um) é um quadrinho de 1987 escrito por Frank Miller e ilustrado por David Mazzucchelli, em que é contada a história de Bruce Wayne desde seu início, junto à trama de Jim Gordon e seu surgimento.

Capa da nova reedição de Batman: Ano Um

No quadrinho vemos Bruce Wayne treinando no exterior e voltando a Gotham City, deparando-se com todos os crimes e corrupção que tomaram conta da cidade. Paralelamente o policial Jim Gordon é transferido de Chicago para Gotham, e vivencia na pele a corrupção não só de quem está fora, mas também daqueles que estão dentro da polícia. Acompanhamos então a transformação de Bruce em Batman, seu desejo por vingança e de livrar Gotham de seus males, e da ascenção de Gordon dentro da polícia, até e seu encontro devido a um novo criminoso na cidade: O Coringa.

Heath Legder como o vilão psicopata Coringa, na versão de Christopher Nolan para o cinema

Parece familiar?

Para aqueles que assistiram ao Batman: Begins e O Cavaleiro das Trevas de Christopher Nolan, deve soar muito familiar. A sequência (em breve trilogia) de Nolan conta com uma trama e pretexto muito parecidos: recontar a origem do Batman e Gordon, partindo de um contexto mais realista e humano. E esta ideia foi muito celebrada nas duas situações.

O diretor Christopher Nolan

Em entrevistas Nolan declarou que bebeu muito dessa obra para a concepção do que ele queria fazer com o personagem e sua jornada. E ficamos felizes por isso (principalmente depois de vermos tantos fracassos em cima da série… nem preciso falar nada).

Batman: Ano Um já recebeu várias reedições, a mais recente da Panini em uma edição de luxo, com mais de 40 páginas extras, podendo ser comprada aqui. Também foi feito um longa metragem animado que foi direto para venda, recebendo ótimas críticas.

É sempre bom vermos pessoas competentes trabalhando com vontade em algo que gostamos, e tanto Batman: Ano Um quanto a trilogia de Nolan merecem muito respeito por seu esforço (e sucesso!!).